Conteudo Cabeçalho Rodape

Olá! Aqui é a Heloisa Nascimento, tenho 35 anos, nasci em São Paulo e sou médica oftalmologista. Meu pai, Ednei Nascimento, que faleceu em 2007, ficou cego de um olho por 13 anos. Ele sofria de uveíte, uma doença ocular inflamatória, e sua vida foi dedicada a procurar formas de aliviar problemas oculares, por isso, ele estudou medicina e se tornou oftalmologista. Essa minha história pessoal fez com que meu propósito de vida fosse ajudar pessoas com problemas de visão.

A visão é responsável por 90% das informações que recebemos do ambiente, e cerca de 75% das causas de perda visual poderiam ser evitadas por meio da educação e por medidas de prevenção à cegueira.

A oftalmologista Heloisa Nascimento, da rede Talentos da Saúde
A oftalmologista Heloisa Nascimento, da rede Talentos da Saúde
Fonte: Arquivo pessoal.

Eu sou formada pela Faculdade de Medicina do ABC e fiz minha pós-graduação em oftalmologia na Unifesp, assim como o doutorado. Ao longo da minha carreira, trabalhei como médica em diversas instituições públicas e privadas de oftalmologia, em cidades como São Caetano, Barueri e São Paulo. Também tenho uma empresa de tradução médica e pesquisa clínica e um consultório particular.

No IPEPO, o Instituto Paulista de Estudos e Pesquisas em Oftalmologia, encontrei uma instituição filantrópica com atuação pública e privada, onde poderia me realizar pessoal e profissionalmente porque, ao mesmo tempo em que trabalho, coloco em prática o meu propósito de vida e ajudo pessoas. Faço parte do instituto desde 2015; comecei como coordenadora clínica e, agora, sou diretora institucional. O IPEPO completa 30 anos em 2020!

A doutora Heloisa com pacientes
A doutora Heloisa com pacientes
Fonte: Arquivo pessoal.

No Instituto Paulista de Estudos e Pesquisas em Oftalmologia, temos a possibilidade de fazer muito por meio de parcerias com o SUS. Também melhoramos o acesso ao tratamento privado por meio de startups e somos pioneiros em inovação com projetos como o teleoftalmologia, que usa a inteligência artificial nos diagnósticos das doenças oculares.

Heloisa com alunos do IPEPO
Heloisa com alunos do IPEPO
Fonte: Arquivo pessoal.

Funciona assim: o paciente da periferia vai até um centro que possui uma máquina que tira fotografia dos olhos; quem faz essa fotografia é um técnico. As imagens são enviadas para um centro de leitura e aí, sim, um médico faz a avaliação do caso. Com essa tecnologia de fotografia do fundo do olho, a gente consegue resolver 80% dos caso. Nos 20% que têm alguma alteração, encaminhamos para a consulta tradicional.

Só em 2019, o IPEPO realizou 270 mil atendimentos e mais de 14 mil cirurgias, também com a tecnologia 3D. No IPEPO, tive a oportunidade de trabalhar com meu mentor, o professor Rubens Belfort Jr., inovador visionário e idealizador de diversas novas tecnologias em oftalmologia, hoje presidente da Academia Nacional de Medicina, além de professor titular de oftalmologia da UNIFESP e presidente do IPEPO. 

Mas o melhor de tudo é que, como entusiastas da educação, no IPEPO conseguimos emergir como instituição de ensino médico. Tivemos um início tímido, mas que agora conta com residência médica, programa de fellowship e cursos de educação continuada para oftalmologistas. Temos alunos de todo o Brasil e, por vezes, da América Latina. Com isso, conseguimos expandir nossa atuação por meio da educação, e nosso propósito é então multiplicado para regiões que não imaginaríamos inicialmente. 

Não acreditamos em limites, e chegamos a locais inalcançáveis. Em 2019, o IPEPO foi um dos vencedores do Prêmio Champalimaud, o Oscar da oftalmologia, e em 2020, vencemos o Prêmio Cidadão Catraca Livre.

Tenho muito orgulho de participar desta instituição e muita gana de encontrar soluções inovadoras para o futuro. Sabemos que o orçamento é pequeno e o caminho sinuoso, mas para um grupo de pessoas comprometido com um propósito, não há barreiras e faremos o possível e o impossível para honrar a nossa missão, que é promover visão!

Heloisa com o pai, Ednei, e o irmão, que hoje também é oftalmo
Heloisa com o pai, Ednei, e o irmão, que hoje também é oftalmo
Fonte: Arquivo pessoal.

A Fundação Lemann compartilha nossos valores e, desde 2017, apoia um programa de fellowship internacional com ênfase em cirurgia oftalmológica robótica e inteligência artificial. Também faço parte da rede Talentos da Saúde da Fundação Lemann desde 2017 que você pode conhecer mais clicando aqui.

Leia outras histórias

ver todas as histórias

Você também pode gostar de...