Conteudo Cabeçalho Rodape

No mundo todo, a educação converge para desafios comuns, que passam por temas como a personalização do ensino, o papel do professor como agente de transformação, a autonomia do aluno na aprendizagem, a inovação nas escolas e a comunicação entre educadores e estudantes.

Esses foram alguns dos aprendizados destacados por 11 professores brasileiros que, convidados pela Fundação Lemann e pela revista Nova Escola, participaram, entre os dias 5 e 9 de março de 2017, do South by Southwest Edu Conference & Festival (SXSWedu), que aconteceu em Austin, Texas, nos Estados Unidos. É um dos principais festivais de tendências e inovação em educação do mundo.

Durante o evento, os professores acompanharam painéis com debates sobre educação de qualidade e temas como tecnologia na sala de aula e engajamento de jovens. Além disso, trocaram experiências e boas práticas com outros educadores. 

Desafios mundiais

Os professores brasileiros perceberam convergências: os desafios que enfrentamos são muito parecidos com os de outras partes do mundo. “A gente percebe durante esses dias a proximidade dos problemas, que são bem parecidos”, disse a professora Marlúcia da Silva.

Ela destacou que as soluções também se aproximam: “Eles dão respostas, pra gente levar para o Brasil, em relação à valorização pessoal, a ele [professor] se enxergar dentro desse processo, se empoderar mesmo naquilo que é necessário, colocar o aluno no centro da escola, e se voltar para um trabalho coletivo”.

Marlúcia ficou impressionada com um novo posicionamento que percebeu entre os gestores: “O que me encantou foi esse novo olhar do gestor para os professores, para a escola, para os pais… É trazer a família também para dentro da escola, para participar desse processo de educação”.

SXSW 2017 - Professores brasileiros no festival

Protagonismo e comunicação

A professora Gina Vieira, que trabalha no Distrito Federal e leciona Língua Portuguesa, percebeu que muitas discussões falaram sobre a importância da valorização do professor e de ele perceber seu protagonismo. “Foi uma tônica no seminário inteiro falar do professor como agente de transformação, o quanto ele é insubstituível, e o quanto ele próprio precisa ter uma profunda consciência disso”, contou.

Já Ademir Almagro, professor e coordenador escolar em Novo Horizonte, interior de São Paulo, disse trazer do evento que é “fundamental” melhorar o diálogo com os alunos. Ele contou que foi apresentada uma pesquisa, feita nos EUA, segundo a qual 80% dos alunos responderam que o principal problema da educação é o bullying, ao passo que nenhum professor destacou o problema. “A comunicação não está acontecendo, existe um grande muro entre esses dois principais agentes, o professor e o aluno”, afirmou. 

Muito além do conteúdo

E que tal a ideia de um processo no qual o aluno aprende prestando serviços para a comunidade? Trata-se do projeto da professora Jahana Hayes, premiada como “Educadora do Ano de 2017” nos EUA. O projeto foi apresentado no SXSWedu 2017 e lembrado por Fábio Machado, Educador Nota 10 de 2016, que leciona Geografia no bairro do Morro Doce, na capital paulista: “É uma forma de você fazer com que o aluno se torne agente transformador do espaço do qual ele faz parte, integrando a comunidade e trazendo ela para dentro da escola”.

Fábio explicou que uma das estratégias apresentadas, não específica da professora Jahana, é trazer os pais para a sala de aula, oferecendo oficinas para eles também. “Quando as pessoas se importam mais com o espaço do qual fazem parte, elas se interessam também em uma transformação”, garante.

Clique aqui e confira a íntegra dos depoimentos dos educadores que participaram do festival!

Temas

Educação

Veja mais sobre a Fundação Lemann

ver todas as publicações